sexta-feira, 23 de setembro de 2022

Novo livro: "O Daniel e a cadelinha Azeitona", de Ilda Pinto Almeida

Hoje, 23 de Setembro, dia em que se inicia o Outono, presenteamos a nova estação com um novo livro infantil: "O Daniel e a cadelinha Azeitona", um livro de Ilda Pinto Almeida com ilustrações de Fernando Silva.
No Outono, caem as folhas, mas não as deste livro, estas vão ser viradas com entusiasmo até chegar ao fim.




O Daniel e a cadelinha Azeitona; Ilda Pinto Almeida
- Ilustrações de Fernando Silva -
44 páginas, capa mole; Tecto de Nuvens, 2022 PVP 8,99€

Este livro relata a história de uma cadelinha que vivia no campo, onde tudo era verde e o barulho que ela ouvia era suave, até ao dia em que recebe a visita dos pais do Daniel…E Daniel, o menino que cresce e aprende com a sua nova companheira de brincadeiras.




Disponível na nossa loja online e nas principais plataformas online nacionais e internacion
ais.

Caem as folhas" - Desafios de Outono

 


Estão de regresso os desafios e, muito apropriadamente, retomamos com um que fala da mudança de estação. Este é um misto das edições de 2020 e 2021. "Caem as folhas" continua a ser o nome do desafio que anda à volta destas folhas, sejam as das árvores ou outras, que caem e se renovam.
.
Do dia 23 de Setembro até ao dia 31 de Outubro 2022 estão abertas as votações para o trabalho favorito. O vencedor receberá um prémio (no nosso 15º aniversário vamos oferecer prendas das linhas Tecto de Nuvens). Os votantes que se identificarem entrarão num sorteio para receberem uma lembrança, também das linhas Tecto de Nuvens.
E assim, está aberto, oficialmente, o regresso à rotina e à escrita.


(4) Folhas no Outono…

 
A aragem que soprou do sul
A chuva e o arrefecimento
E as manhãs que nublaram
Pintou o verde das folhas
De cores variadas,
Por cultores tão apreciadas:
 
Umas de amarelo diverso
Outras de vermelho arroxeadas
Terceiras de azul claro
E, numerosas folhas,
De tintas tão variadas…
 
Passado pouco tempo
Com brisa insistente
De manhã e ao cair do sol 
Tombaram no chão;
Arrastadas do vento
Foram recolhidas no gibão
E lançadas no aterro
Sem choro nem lamentação…
 
Assim a beleza dos humanos
Tão colorida de fama e glória
Ao amadurecerem com os anos
Acabam sepultados na história…
 
A beleza das folhas
É como a dos humanos
Tão colorida de fama e glória
Amadurecem com os anos
E acabam sepultadas na história…
 
Florentino Mendes Pereira
20-09-2022

(3) O desencanto do Outono…


A praia das folhas começa no Outono
Para calendário de árvores desnudas
Em agenda, tempo de Inverno rigoroso
Tanta folha morta caída nas ruas…
….
Aos cantos jogam à desfolhada
Já perdeu graça o seu enfeite…
Mas o Outono não lhe tira graça
Arrasta-as tão só do olhar da gente…

Belas, ricas e úteis na árvore
São, hoje, atiradas à lixeira
O costume, assim olvida o brinde
Muda-o, sim, à sua maneira…

Florentino Mendes Pereira
21-09-2022

(2) LEMBRA-TE DE MIM…


Lembra-te de mim, quando ao cair de cada folha
O Outono disser que sim, em cada escolha!
Lembra-te de mim, quando os céus trovejarem
Quando em segredo ouvires a minha voz.
Lembra-te de mim, quando os montes uivarem
O segredo de minha voz.
Lembra-te de mim, quando acordares para a vida
E, a vida nos der uma lição.
Lembra-te de mim, quando os mares espumarem
O bafo de minha voz.
Lembra-te de mim, quando os canaviais
Cantarem uma canção ao vento!
Lembra-te de mim, quando os outeiros
Clamarem por razão…
Lembra-te de mim, quando em fim a sós
Disseres: te amo!
Lembra-te de mim, quando numa canção esquecida
Reconheceres minha voz.
Lembra-te de mim, na teoria da vida
Na prática do prazer e da felicidade.
Lembra-te de mim, quando os mares
Bramarem por marés.
Lembra-te de mim, quando em secreto
Ouvires a minha voz.
Lembra-te de mim, quando chegar a nossa vez
De proclamarmos: O Amor…
Lembra-te de mim, quando os vales e os montes
Ressoarem as suas vozes.
Lembra-te de mim, quando souberes expressar o teu amor.
Lembra-te de mim, quando o júbilo der lugar à ressaca.
Lembra-te de mim, simplesmente por lembrar, lembra-te de mim!
Lembra-te de mim, quando o amor der lugar à calma em nossas almas.
Lembra-te de mim, quando em teu coração, disseres que sim!
Lembra-te de mim, apazigua-me em tua calma, ao sabor de nossa alma…
Lembra-te de mim, no esforço de uma passagem celeste…
Lembra-te de mim, em cada não e em cada sim…
Em cada breve acordar…
Lembra-te de mim, em cada olhar, em cada gesto.
Lembra-te de mim, em cada cheiro, em cada passo.
Lembra-te de mim, por favor não me esqueças,
Mesmo que desbravando o passado em cada futuro.
Lembra-te de mim, em cada alavanca do presente
Em cada nuance passado…
Lembra-te de mim, simplesmente por gostar de alguém.
Lembra-te de mim, quando tua alma fizer menção
De cada sortudo acordar!
Lembra-te de mim, quando no segredo de teu coração
Quiseres perdoar.
Lembra-te de mim, quando escolheres: amar…
Lembra-te de mim, quando por fim: sonhares…
Lembra-te de mim, quando as estrelas, nos cantarem uma canção
E, em seu ímpeto, a lua clarear a terra.
Lembra-te de mim, quando o sol brilhar, uma vez mais.
Lembra-te de mim, em cada melodia, de uma breve canção.
Lembra-te de mim, quando o eco de nossos corações
Nos mostrar a razão de ser de nosso viver…
Lembra-te de mim, quando em cada passo, encontrarmos alento…
Lembra-te de mim, quando virmos a vida a acordar…
Lembra-te de mim, quando o arco-íris estender o seu espectro.
Lembra-te de mim, quando o nosso espaço, vez após vez: é preenchido.
Lembra-te de mim, quando nossas preces, forem senhores de nosso vento…
Lembra-te de mim, quando balbuciares em teu pensamento
As letras de nossa canção…
Lembra-te de mim, quando no embalo de nossa canção
Formos senhores de nossos ventos…
Lembra-te de mim, quando em surdina orares por claros pensamentos…
Lembra-te de mim, quando o tempo nos esclarecer
À mercê de um encantamento.
Lembra-te de mim, na tua força e no teu fracasso
Como que moendo um pedaço.
Lembra-te de mim, quando fores senhor e quando fores escravo.
Lembra-te de mim, em cada olvidar, em cada duvidar!
Lembra-te de mim, quando em nosso espírito: revivermos!
Lembra-te de mim, quando nossa alma clamar por mais…
Lembra-te de mim, em nosso respirar, em nosso sôfrego: amar…
Lembra-te de mim, quando no embalo de cada canção, só o vento terá razão!
Lembra-te de mim, em cada naufragar, em cada embalar…
Lembra-te de mim, no rescaldo de cada canção
Que vem da ternura de nosso coração!
Lembra-te de mim, no fundo de cada anoitecer
Quando o dia for uma criança e o amanhecer tender em esperança!
Lembra-te de mim, quando o dia replicar e a noite tiver um fim!
Lembra-te de mim, quando em nosso fundo embalarmos nossa canção…
Lembra-te de mim, quando em nossa altivez, me tiveres por irmão.
Lembra-te de mim, não no teu repúdio, mas na graça de cada sim!
Lembra-te de mim, em cada não e em cada sim! Lembra-te de mim, em nosso sonhar, emcada acordar!
Lembra-te de mim, na plenitude de nossa vida, em cada miragem!
Lembra-te de mim, em cada invisibilidade, em cada quedar com a idade!
Lembra-te de mim, em cada alvorecer e em cada entardecer…
Lembra-te de mim, quando cair em nós a nossa paz.
Lembra-te de mim, não me esqueças, quando a lua vem beijar o sol
quando o sol jaz sobre a lua… Lembra-te de mim…

Timóteo Pernas

(1) Outono,


Não sei bem porquê mas gosto desta estação, do cheiro a terra húmida, das primeiras chuvas e com elas o ler estendido no sofá ou o deitar-me com trovoada e chuva forte. E sentar-me num banco de um de tantos passadiços nas dunas , nos dias mais soalheiros e ler ou tomar notas no caderno, negro, para mais tarde aproveitar na escrita.
Recordo os meus filhos, ainda nos primeiros e trementes, passos, a chutarem as folhas , enormes, dos plátanos , na quinta da família.
Marcou-me a trilogia da Odete de Saint Maurice, lida na minha adolescência, quase devorava ou o Pescador de Ernest Hemingway.
Era também a altura em que devorava a estante dos livros de adultos creio que sem os meus pais saberem...
Recomeçavam as aulas, terminava a praia (de Mira, Costa da Caparica e Algarve, tal como as vindimas onde ganhava uns trocos, convivia e iniciava amores de ano escolar. Os amores de praia, ou paixões, ficavam, enterrados nos areais e o Outono vinha, devagarinho, envolto em bruma e espuma de um mar revolto com seu mistério e roupas de meia-estação. Depois as maçãs colhidas da árvore, a marmelada acabada de fazer e as castanhas assadas que significavam, sempre, uma festa de amigos e família.
Logo nos finais de Setembro notava a descida de temperatura, a neblina matinal. Interiorizava no luto das paixões de Verão. Ainda salgado, bronzeado de sol e mar e noites mal dormidas e refeições apressadas, e campismo e gargalhadas e corpos suados e amizades e línguas estrangeiras...três meses ausente, pelo Algarve, Costa da Caparica, Lisboa deserta, e Praia de Mira ou da Tocha. Bolso vazio. Entregava-me às vindimas com tantos amigos (as) de Cantanhede. Pagava dívidas com a parca remuneração mas divertia-me à brava a vindimar. Tinha pouco tempo para ler em Setembro. Mas já estudava e preparava a matéria do ano lectivo. Juntava memórias, iniciava o namoro de Outono /inverno. Rejubilava com o desaparecimentos de turistas e o regresso de uma calma apetecida e ainda com alguns dias de praia para desfrutar apreciando o pôr-do-sol. Foi num final de Setembro que li "O Relatório Chapman"...e à noite escrevia e desenhava...não é muito diferente hoje. Maturo, melhor, vivenciado com mais sabedoria...
Nem tudo serão boas memórias. Com a chegada do frio, das gripes e agora da Covid... os mortos preenchiam-me a alma fazendo-me sentir pequeno e frágil na impotência de fazer algo ou da minha própria mortalidade.
Relembro três poemas do nosso Fernando Pessoa - "Canção de Outono", "Esqueço-me das horas transviadas" e "Quando, Lídia, vier o nosso Outono".- ou "O Outono do Patriarca" de Gabriel Garcia Marques. Queira ou não acabo por associar o outono a um certo início de velhice e, simultaneamente, começo a ansiar pela Primavera. Felizmente não entro em nostalgia ou Burnout... agarro a bicicleta de BTT e percorro os trilhos de montes e vales, húmidos, escorregadios e plenos de folhas de diferentes tonalidades.

Bastos Vianna

Use a caixa de comentários para votar. Os comentários são monitorizados, não aparecem de imediato. Deixe, por favor, uma forma de ser contactado, caso seja o número sorteado. Se não quiser que esse contacto seja público, indique o seu desejo na caixa de comentários, retiraremos essa parte do comentário da votação.

quarta-feira, 21 de setembro de 2022

Votação para o texto favorito do livro: As 15 Primaveras

 Vote no seu texto favorito e ganhe um conjunto de duas canecas com a ilustração da capa e 1 conjunto de 10 postais iguais à capa do livro…






Pode acompanhar as votações em:


Para votar recorte esta página e envie para: Tecto de Nuvens, Rua Camilo Pessanha, 152; 4435-638 Baguim do Monte.
Por sms (terá de incluir os seus dados completos para receber o prémio) para 960131916.
Por email para geral@tecto-de-nuvens.pt com o título: Melhor texto colectânea de Aniversário.
Aceitamos votações até 31 de Outubro de 2022 (data do email, sms ou carimbo do correio). A todas as participações será atribuído um número, por ordem de chegada. – Serão excluídas as participações que não tragam os dados necessários para o envio do prémio -.
O vencedor do melhor texto será anunciado no blogue “Notícias das Nuvens” e nas redes sociais de todos os autores participantes nesta colectânea.
O vencedor do passatempo será aquele cuja participação tiver o número (ou terminação de número) igual ao do número da sorte do sorteio do Totoloto do primeiro sábado de Novembro de 2022.
- A seguir ao sorteio do Totoloto será sorteado um participante de entre todos os que tiverem número ou terminação de número (caso haja mais do que um) igual ao sorteado para o Totoloto, e esse será o vencedor. -
A todos os participantes que nos facultarem o endereço de email comunicaremos o número atribuído à chegada. Tentaremos fazer o mesmo com os sms, mas é mais prático com endereços de email.
Também o vencedor deste passatempo será anunciado no nosso blogue e nas redes sociais dos autores, a partir da segunda-feira seguinte ao sorteio do Totoloto.
Obrigada pela sua participação.

quinta-feira, 15 de setembro de 2022

Regressam os Desafios: " Caem as folhas" (Outono) - 2022

 



Estão de regresso os desafios e, muito apropriadamente, retomamos com um que fala da mudança de estação. Este é um misto das edições de 2020 e 2021. "Caem as folhas" continua a ser o nome do desafio que andará à volta destas folhas, sejam as das árvores ou outras, que caem e se renovam. Podem trabalhar o Outono, a inspiração, os ciclos da vida, etc. Desta vez, o desafio volta a incluir as opções conto (pequeno), fotografia/desenho e, claro continua a poesia. Podem participar com mais do que um trabalho.
Podem começar, de imediato, a enviar trabalhos. Os trabalhos serão publicados no blogue, precisamente no dia em que o Outono começa, 23 de Setembro. O prazo limite para a entrega é o final da tarde do dia 22 de Setembro, 2022.
Do dia 23 de Setembro até ao dia 31 de Outubro 2022 estarão abertas as votações para o trabalho favorito. O vencedor receberá um prémio (a divulgar aquando da publicação do desafio). Os votantes que se identificarem entrarão num sorteio para receberem uma lembrança.
E assim, abrimos oficialmente o regresso à rotina e à escrita.
Bom trabalho!

Podem enviar os vossos trabalhos para geral@tecto-de-nuvens.pt ou para tectodenuvens@hotmail.com

quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Um dia com... Timóteo Pernas e o seu poema "Um dia com ..."

  "Um dia com..." é uma espécie de página de diário, real ou fictício, aqui cada autor pode fazer o relato de um episódio, fazer uma reflexão, colocar um pensamento, uma foto...

Estará disponível todo o ano, independentemente de outros projectos a correr aqui no Blogue. E está aberto a todos, se tiver algo que queira partilhar, pode enviar para:
geral@tecto-de-nuvens.pt ou tectodenuvens@hotmail.com indicando no assunto "Um dia com...". Podem enviar quantas participações quiserem.


“Um dia com…”

Um dia com você
É um dia bem passado
É um dia que lê
Um segredo bem fardado
Um dia com você
É um dia bem passado
É um dia que vê
Cada momento guardado;

Amor de minha vida
És a razão do meu viver
Para sempre muito querida
Eu nunca te vou esquecer
Quedei-me por teus encantos
E pela tua maneira de ser
Por isso quero por muitos anos
A teu lado viver;

Um dia com você
É um dia bem passado
É um dia que antevê
É um dia sagrado
Um dia com você
É um dia bem posado
Que responde ao porquê
E me livra deste meu Fado;

Pois assim Deus nos ensine
E que nada nos impeça então
Que a nossa vida se ilumine
De alegria e paz no coração
Unidos seremos um só
É aquilo que mais desejo
E do fundo do meu ser
Aceita este meu beijo;

Um dia com você
Um dia contigo
É um dia que crê
Que consigo
Um dia com você
Não é nenhum castigo
É um dia à mercê
De um ombro amigo;

Com os votos de uma união
Contigo quero partilhar
E uma vida construir
Tão-somente por te amar
Que nada impeça
A nossa felicidade
E que tudo aconteça
Para que haja amor de verdade;

Um dia com você
Um dia com sentido

É um dia que se sente o pé
Quando estás comigo
Um dia com você
É um dia bem passado
É um dia que prevê
Quando estás a meu lado;

Trago no coração o peso
De palavras que disse sem pensar
Mas por isso eu escrevo
Estes versos por te amar
O que o futuro nos reserva
Isso, só Deus O Sabe
Mas eu espero que em nós haja
Amor de verdade
Verdadeira harmonia
E paz no coração
São os votos que eu um dia
Espero conseguir com o teu perdão,
E porque “não há bela sem senão” …
Aqui fica este meu refrão!

sexta-feira, 5 de agosto de 2022

Livro dedicado aos animais - estamos a aceitar participações

A 4 de Outubro de 2022 vamos publicar um livro com trabalhos dedicados aos animais, que, como sabeis, foi a proposta vencedora para projectos colectivos neste nosso ano do 15º aniversário.
Este projecto é baseado no seu tema: género e estrutura são livres – podem escrever pequenos ensaios, poemas, quadras, enviar fotos e desenhos, combinar estas variáveis. Os textos podem ser sobre animais e experiências verdadeiras ou pode ser algo inteiramente criado por vós. É um trabalho para todos os públicos.
Desde que o copyright vos pertença, os trabalhos não têm obrigatoriamente de ser inéditos.
Temos estado a receber trabalhos desde que o projecto foi proposto, mas ainda precisamos de mais trabalhos e o prazo para receber participações (cada autor participa com quantas quiser) vai terminar a 31 de Agosto, para podermos fazer revisões durante a primeira semana de Setembro. – Sabemos que esta fase final poderá vir a coincidir com as férias de alguns, por isso mesmo tem um prazo de recepção de trabalhos tão alargado, precisamente para podermos terminar a participação de cada autor a partir de 15 de Julho, caso seja necessário. -
Nesta obra, à semelhança dos “Desafios” não há lugar a pagamento pela participação, nem pagamento de comissões pelas vendas, mas haverá um preço muito especial para um exemplar por autor e depois packs económicos para quem os quiser vender.

Para tirarem dúvidas ou enviarem trabalhos contactem-nos pelos emails: geral@tecto-de-nuvens.pt ou tectodenuvens@hotmail.com

quarta-feira, 20 de julho de 2022

"Um dia com..." Ilda Pinto Almeida: "REFLEXÃO SOBRE A PALAVRA «FAVOR»"

 "Um dia com..." é uma espécie de página de diário, real ou fictício, aqui cada autor pode fazer o relato de um episódio, fazer uma reflexão, colocar um pensamento, uma foto...
Estará disponível todo o ano, independentemente de outros projectos a correr aqui no Blogue. E está aberto a todos, se tiver algo que queira partilhar, pode enviar para geral@tecto-de-nuvens.pt ou tectodenuvens@hotmail.com indicando no assunto "Um dia com...". Podem enviar quantas participações quiserem.


 "REFLEXÃO SOBRE A PALAVRA «FAVOR»"


Segundo o meu dicionário de língua portuguesa, a palavra favor quer dizer “um ato que se faz a alguém de maneira voluntária”.
Isto quereria dizer, em muitos casos, que alguém faz por ti o que normalmente não faria por mais ninguém.
Favor é cuidar com diligência, pessoas, gostando delas ou não; a prática de dar sem exigir retorno, portanto, agindo de modo generoso e sem interesse.
Mas será que a palavra mantem o mesmo significado desde que foi colocada nos dicionários? “Privilégio, proteção, ajuda concedida arbitrariamente por uma pessoa com autoridade, poder ou influência a outra”, no meio da sociedade de hoje?! Será que esta palavra de excelência não tem vindo a ser maltratada pela sociedade?
Vejamos à nossa volta o que é o favor.
Hoje na sociedade, próxima de mim ou não; nas notícias diárias, ou na leitura das plataformas digitais, reparo que o sentido da palavra muitas vezes se encontra perturbado por pequenos fios ensarilhados na sua raiz, adquirindo como que um duplo sentido.
 A sociedade contemporânea tem por norma tornar o favor que é uma gentileza, uma ação gratuita, em o favor a ser mais tarde retribuído, extraviando-se assim a matriz da palavra.
Quando alguém tem necessidade de um favor, dirige-se àquela personalidade que tem o “poder” de decidir, de dar, portanto de complementar o favor, ou ainda, pedir o favor a outrem para que seja levado a cabo.
Mas o que é que acontece nos dias de hoje?
Aquele que tem acesso domina sobre o que precisa, e logo aquilo que o sujeito pediu, passa, com o tempo, a ter a necessidade de uma compensação, contrapartida. Quer dizer que o favor deixou de o ser no mais puro/fiel sentido da sua origem, e passa a ser uma divida para aquele que foi favorecido. Logo, este favor (serviço, empréstimo) transforma o recipiente do favor em servo do que emprestou ou favoreceu. Estes favores emprestados muitas vezes ganham elevados juros, e tenho a certeza que todos nós já o pudemos presenciar na sociedade, através de casos próximos ou ouvi-los através dos meios de comunicação.
“O rico domina sobre o pobre, e o que toma emprestado é servo de quem empresta”, diz em Provérbios 22:7.
O declínio dos valores da sociedade, reflete-se até na interpretação das palavras e no seu uso abusivo, sem respeito pelo seu significado inicial e o modo como pode ter impacto em quem ainda se rege pelos significados primitivos (por exemplo, cada vez mais se usa «brutal» com significado positivo, como algo de bom, fantástico, tornando, desnecessariamente, confusas frases como “Aquele filme era brutal!”); ou atribui duplas significações às palavras, normalmente atribuindo uma conexão sexual a algo perfeitamente banal, tornando o mais inocente dos discursos em alvo de vil chacota. E mais recentemente, conexões políticas, tornando praticamente proibidas palavras como, por exemplo “branquear” (ainda que seja isso mesmo que o produto faça). Falar em público tornou-se penoso, desgastante e até perigoso. Por outro lado, o abuso de certos termos, em particular os que descrevem situações do foro psiquiátrico, esvaziam de valor a própria realidade que deveriam descrever. A falta de parcimónia no uso de certas palavras e expressões, tem tanto de ignorância como de desrespeito, mas o impacto que vai causando é cada vez maior.
É nestes pequenos e subtis actos que se geram hábitos menos dignos e que não se associam, em nada, com o verdadeiro sentido de um favor. Pelo contrário, temos uma sociedade achocalhada de corrupção, que vai desde a profissão de menor visibilidade até aos cargos de todos títulos que lhe queiram agregar.
 Quantos de vocês já ouviram ou até mesmo disseram vezes sem conta esta frase: Ficas a dever-me uma. ?
Será que de alguma forma todos nós distorcemos o verdadeiro sentido do que é um favor!?
Será que o tempo ainda nos vem a exigir a limpeza dos nossos actos by clearing our inbox, começando do zero, voltando ao início, à base das palavras, ou será que até as ações mais simples se tornaram complexas?!

Ilda Pinto Almeida