quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Um dia com... Timóteo Pernas e o seu poema "Um dia com ..."

  "Um dia com..." é uma espécie de página de diário, real ou fictício, aqui cada autor pode fazer o relato de um episódio, fazer uma reflexão, colocar um pensamento, uma foto...

Estará disponível todo o ano, independentemente de outros projectos a correr aqui no Blogue. E está aberto a todos, se tiver algo que queira partilhar, pode enviar para:
geral@tecto-de-nuvens.pt ou tectodenuvens@hotmail.com indicando no assunto "Um dia com...". Podem enviar quantas participações quiserem.


“Um dia com…”

Um dia com você
É um dia bem passado
É um dia que lê
Um segredo bem fardado
Um dia com você
É um dia bem passado
É um dia que vê
Cada momento guardado;

Amor de minha vida
És a razão do meu viver
Para sempre muito querida
Eu nunca te vou esquecer
Quedei-me por teus encantos
E pela tua maneira de ser
Por isso quero por muitos anos
A teu lado viver;

Um dia com você
É um dia bem passado
É um dia que antevê
É um dia sagrado
Um dia com você
É um dia bem posado
Que responde ao porquê
E me livra deste meu Fado;

Pois assim Deus nos ensine
E que nada nos impeça então
Que a nossa vida se ilumine
De alegria e paz no coração
Unidos seremos um só
É aquilo que mais desejo
E do fundo do meu ser
Aceita este meu beijo;

Um dia com você
Um dia contigo
É um dia que crê
Que consigo
Um dia com você
Não é nenhum castigo
É um dia à mercê
De um ombro amigo;

Com os votos de uma união
Contigo quero partilhar
E uma vida construir
Tão-somente por te amar
Que nada impeça
A nossa felicidade
E que tudo aconteça
Para que haja amor de verdade;

Um dia com você
Um dia com sentido

É um dia que se sente o pé
Quando estás comigo
Um dia com você
É um dia bem passado
É um dia que prevê
Quando estás a meu lado;

Trago no coração o peso
De palavras que disse sem pensar
Mas por isso eu escrevo
Estes versos por te amar
O que o futuro nos reserva
Isso, só Deus O Sabe
Mas eu espero que em nós haja
Amor de verdade
Verdadeira harmonia
E paz no coração
São os votos que eu um dia
Espero conseguir com o teu perdão,
E porque “não há bela sem senão” …
Aqui fica este meu refrão!

sexta-feira, 5 de agosto de 2022

Livro dedicado aos animais - estamos a aceitar participações

A 4 de Outubro de 2022 vamos publicar um livro com trabalhos dedicados aos animais, que, como sabeis, foi a proposta vencedora para projectos colectivos neste nosso ano do 15º aniversário.
Este projecto é baseado no seu tema: género e estrutura são livres – podem escrever pequenos ensaios, poemas, quadras, enviar fotos e desenhos, combinar estas variáveis. Os textos podem ser sobre animais e experiências verdadeiras ou pode ser algo inteiramente criado por vós. É um trabalho para todos os públicos.
Desde que o copyright vos pertença, os trabalhos não têm obrigatoriamente de ser inéditos.
Temos estado a receber trabalhos desde que o projecto foi proposto, mas ainda precisamos de mais trabalhos e o prazo para receber participações (cada autor participa com quantas quiser) vai terminar a 31 de Agosto, para podermos fazer revisões durante a primeira semana de Setembro. – Sabemos que esta fase final poderá vir a coincidir com as férias de alguns, por isso mesmo tem um prazo de recepção de trabalhos tão alargado, precisamente para podermos terminar a participação de cada autor a partir de 15 de Julho, caso seja necessário. -
Nesta obra, à semelhança dos “Desafios” não há lugar a pagamento pela participação, nem pagamento de comissões pelas vendas, mas haverá um preço muito especial para um exemplar por autor e depois packs económicos para quem os quiser vender.

Para tirarem dúvidas ou enviarem trabalhos contactem-nos pelos emails: geral@tecto-de-nuvens.pt ou tectodenuvens@hotmail.com

quarta-feira, 20 de julho de 2022

"Um dia com..." Ilda Pinto Almeida: "REFLEXÃO SOBRE A PALAVRA «FAVOR»"

 "Um dia com..." é uma espécie de página de diário, real ou fictício, aqui cada autor pode fazer o relato de um episódio, fazer uma reflexão, colocar um pensamento, uma foto...
Estará disponível todo o ano, independentemente de outros projectos a correr aqui no Blogue. E está aberto a todos, se tiver algo que queira partilhar, pode enviar para geral@tecto-de-nuvens.pt ou tectodenuvens@hotmail.com indicando no assunto "Um dia com...". Podem enviar quantas participações quiserem.


 "REFLEXÃO SOBRE A PALAVRA «FAVOR»"


Segundo o meu dicionário de língua portuguesa, a palavra favor quer dizer “um ato que se faz a alguém de maneira voluntária”.
Isto quereria dizer, em muitos casos, que alguém faz por ti o que normalmente não faria por mais ninguém.
Favor é cuidar com diligência, pessoas, gostando delas ou não; a prática de dar sem exigir retorno, portanto, agindo de modo generoso e sem interesse.
Mas será que a palavra mantem o mesmo significado desde que foi colocada nos dicionários? “Privilégio, proteção, ajuda concedida arbitrariamente por uma pessoa com autoridade, poder ou influência a outra”, no meio da sociedade de hoje?! Será que esta palavra de excelência não tem vindo a ser maltratada pela sociedade?
Vejamos à nossa volta o que é o favor.
Hoje na sociedade, próxima de mim ou não; nas notícias diárias, ou na leitura das plataformas digitais, reparo que o sentido da palavra muitas vezes se encontra perturbado por pequenos fios ensarilhados na sua raiz, adquirindo como que um duplo sentido.
 A sociedade contemporânea tem por norma tornar o favor que é uma gentileza, uma ação gratuita, em o favor a ser mais tarde retribuído, extraviando-se assim a matriz da palavra.
Quando alguém tem necessidade de um favor, dirige-se àquela personalidade que tem o “poder” de decidir, de dar, portanto de complementar o favor, ou ainda, pedir o favor a outrem para que seja levado a cabo.
Mas o que é que acontece nos dias de hoje?
Aquele que tem acesso domina sobre o que precisa, e logo aquilo que o sujeito pediu, passa, com o tempo, a ter a necessidade de uma compensação, contrapartida. Quer dizer que o favor deixou de o ser no mais puro/fiel sentido da sua origem, e passa a ser uma divida para aquele que foi favorecido. Logo, este favor (serviço, empréstimo) transforma o recipiente do favor em servo do que emprestou ou favoreceu. Estes favores emprestados muitas vezes ganham elevados juros, e tenho a certeza que todos nós já o pudemos presenciar na sociedade, através de casos próximos ou ouvi-los através dos meios de comunicação.
“O rico domina sobre o pobre, e o que toma emprestado é servo de quem empresta”, diz em Provérbios 22:7.
O declínio dos valores da sociedade, reflete-se até na interpretação das palavras e no seu uso abusivo, sem respeito pelo seu significado inicial e o modo como pode ter impacto em quem ainda se rege pelos significados primitivos (por exemplo, cada vez mais se usa «brutal» com significado positivo, como algo de bom, fantástico, tornando, desnecessariamente, confusas frases como “Aquele filme era brutal!”); ou atribui duplas significações às palavras, normalmente atribuindo uma conexão sexual a algo perfeitamente banal, tornando o mais inocente dos discursos em alvo de vil chacota. E mais recentemente, conexões políticas, tornando praticamente proibidas palavras como, por exemplo “branquear” (ainda que seja isso mesmo que o produto faça). Falar em público tornou-se penoso, desgastante e até perigoso. Por outro lado, o abuso de certos termos, em particular os que descrevem situações do foro psiquiátrico, esvaziam de valor a própria realidade que deveriam descrever. A falta de parcimónia no uso de certas palavras e expressões, tem tanto de ignorância como de desrespeito, mas o impacto que vai causando é cada vez maior.
É nestes pequenos e subtis actos que se geram hábitos menos dignos e que não se associam, em nada, com o verdadeiro sentido de um favor. Pelo contrário, temos uma sociedade achocalhada de corrupção, que vai desde a profissão de menor visibilidade até aos cargos de todos títulos que lhe queiram agregar.
 Quantos de vocês já ouviram ou até mesmo disseram vezes sem conta esta frase: Ficas a dever-me uma. ?
Será que de alguma forma todos nós distorcemos o verdadeiro sentido do que é um favor!?
Será que o tempo ainda nos vem a exigir a limpeza dos nossos actos by clearing our inbox, começando do zero, voltando ao início, à base das palavras, ou será que até as ações mais simples se tornaram complexas?!

Ilda Pinto Almeida

quarta-feira, 13 de julho de 2022

Hoje é o nosso aniversário!

 


E lembramos que estamos a festejar este aniversário com o lançamento da colectânea "As 15 Primaveras".



Caro leitor, prepare-se para ser mimado (como, aliás, bem merece!) da capa à contracapa, da primeira à última página, há cor, alegria, música e odores (mesmo que não se possam sentir da forma tradicional), há memórias, há o destaque para as pequenas coisas, e para as grandes descobertas… Não havia regras, não há um tema, apenas um sentimento de vida pela positiva, expresso tanto em prosa como em verso. Leia, dê a ler, partilhe, seja também veículo do positivo. Não se esqueça de observar a natureza, de observar as pessoas, olhe com bastante atenção e verá a beleza, o bom, o colorido, o divertido… Viva! Neste aniversário queremos agradecer-lhe a companhia ao longo destas 15 Primaveras e convidá-lo (autor e/ou leitor) a acompanhar-nos nas próximas 15!... Boas leituras e muitos parabéns!


As 15 Primaveras - Colectânea especial de aniversário -, vários autores;
88 páginas, capa mole; Tecto de Nuvens, 2022
PVP: 9,00€

E não ficamos por aqui e há muitas coisas boas para ler e para usar à fresca, veja na nova actualização do nosso catálogo de Verão No nosso aniversário queremos mesmo celebrar a vida, venha celebrar connosco!



Mas se é cliente de plataformas online onde acumula pontos e/ou crédito, não deixe de comprar a colectânea em sítios como:

Wook
Bertrand online
Amazon Espanha/Portugal
Amazon USA
Amazon UK
Libros,cc

Para encomendas ou para mais informações envie um email para loja@tecto-de-nuvens.pt

sábado, 25 de junho de 2022

Vaidosicezinhas XI

Pelo 10 de Junho referimos o trabalho de Ilda Pinto Almeida focado na questão da Migração, e que juntou num só volume textos de dois livros seus "Quando o sol deixa de brilhar" e "Ouro Azul" e ainda um conto que também tinha sido publicado na colectânea "A história que eu queria contar". Este volume publicado pela Tecto de Nuvens em 2021, sob o título "Os dois lados da Migração", teve no final de 2021 uma tradução para espanhol e foi publicado nos Estados Unidos pela IPA Books, com o título Las dos caras de la Migración ; e agora em Junho, como referido, essa versão em espanhol foi também publicada pela Tecto de Nuvens.
Esta vaidosicezinha é uma sequência lógica da postagem de 10 de Junho.
Como muitos saberão, as comunidades portuguesas residentes nos Estados Unidos festejam grandemente o 10 de Junho (com actividades que começam no início do mês de Junho e se vão prolongando).
Desta vez, o Governo português fez-se representar pelo ministro João Gomes Cravinho, que ficou a saber que a Migração tem dois lados...




No dia 7 de Junho o Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, João Gomes Cravinho (esquerda) em visita à comunidade luso-americana de Newark , acompanhado pelo cônsul-geral de Portugal em New Jersey Dr. Pedro Monteiro (direita), e ao meio três figuras das artes e literatura portuguesa em New Jersey: Fernando Silva, Ilda Pinto Almeida e João Martins.
Em sua mão, o senhor ministro segura um exemplar " Os dois lados da Migração" que recebeu e, de seguida desfolhou com grande entusiasmo, dando os parabéns à autora.

Dias mais tarde, em Manhattan, na Boricua College, uma instituição de ensino superior privada, projectada especificamente para atender as necessidades de Porto Rico, tendo sido a primeira Universidade privada latino-hispânica nos Estados Unidos.
Esta prestigiada instituição, e referência na comunidade latino-americana, convidou Ilda Pinto Almeida para apresentar o seu livro, na versão espanhola, e falar das suas experiências de Migração. Ana Lorena Siria de Lara, autora da "Apresentação" do livro esteve também presente e foi uma das oradoras. O próprio Reitor, "Dean" Moises Pereyra, esteve presente e foi o grande animador da sessão, que mereceu o interesse da imprensa.

Nas palavras de Ilda Pinto Almeida:

Foi um salão cheio e uma honra estar neste lugar com todos todo o público.
Sou grata a Deus por toda essa festa maravilhosa que me foi proporcionada . Quero agradecer ao Sr. Dean Moises Pereyra da Universidade de Buricua pela incrível recepção e pelo maravilhoso diálogo com o público presente. Meus agradecimentos à diretora do evento Maricela Martinez pela oportunidade que me foi dada de poder compartilhar o meu trabalho com a comunidade latina. E também ao NJ Arts Collective, Maestro Amado Mora e à Licenciada Ana Lorena Siria de Lara ex consul ex presidenta del Grupo de Consules para Latinoamérica GLACO pelo seu apoio.


Ilda P. Almeida e Amado Mora, director do New Jersey Artes Collectivo 

Momento da intervenção do Dean Moises Pereyra

Ilda Pinto Almeida e o Reitor Moises Pereyra

Ilda P. Almeida e algumas figuras de relevo na comunidade latino-americana, incluindo (última à direita) Ana Lorena Siria de Lara


quinta-feira, 23 de junho de 2022

15º aniversário da Tecto de Nuvens com livro em pré-lançamento

 


A 13 de Julho de 2007 nascia a Tecto de Nuvens, filha muito querida de quem gosta de ler e de escrever, com a missão de ir ao encontro de quem também gosta de ler e escrever, promovendo os livros (e tudo o que a eles diz respeito) e as Artes Gráficas.
Desde o início do ano que temos vindo a promover iniciativas para celebrar esta data importante, e ainda temos muitas mais previstas até ao final deste ano de 2022. Fique atento, porque vai valer a pena.
Por agora, promovemos a nossa nova colectânea, a lançar, naturalmente, a 13 de Julho. Abrimos, neste momento, um período de pré-lançamento que é todo ele uma prenda... para si!



Caro leitor, prepare-se para ser mimado (como, aliás, bem merece!) da capa à contracapa, da primeira à última página, há cor, alegria, música e odores (mesmo que não se possam sentir da forma tradicional), há memórias, há o destaque para as pequenas coisas, e para as grandes descobertas… Não havia regras, não há um tema, apenas um sentimento de vida pela positiva, expresso tanto em prosa como em verso. Leia, dê a ler, partilhe, seja também veículo do positivo. Não se esqueça de observar a natureza, de observar as pessoas, olhe com bastante atenção e verá a beleza, o bom, o colorido, o divertido… Viva! Neste aniversário queremos agradecer-lhe a companhia ao longo destas 15 Primaveras e convidá-lo (autor e/ou leitor) a acompanhar-nos nas próximas 15!... Boas leituras e muitos parabéns!


As 15 Primaveras - Colectânea especial de aniversário -, vários autores;
88 páginas, capa mole; Tecto de Nuvens, 2022
PVP: 9,00€


Packs promocionais válidos até 12 de Julho 2022:


Pack de 10 livros (40% de desconto) = 90€ - 54,00€
Pack de 5 livros (30% de desconto) = 45€ - 31,50€
1 livro (25% de desconto) = 9€ - 6,75€

Faça a sua encomenda enviando email para loja@tecto-de-nuvens.pt
Encomendas de valor igual ou superior a 50€ (após os descontos) têm portes grátis para Portugal Continental. Os livros podem ser enviados para mais do que uma morada.

quarta-feira, 15 de junho de 2022

Dulce Sousa, autora, em entrevista

 

Para quem é leitor habitual dos nossos "Desafios" (e são muitos), o nome Dulce Sousa é muito familiar. Tem participado activamente neles com textos (maioritariamente em verso) e com fotografias. Nos Desafios com votação do público tem sido uma vencedora habitual, indicando que o seu estilo, o modo como aborda as temáticas são do agrado dos leitores.
E também para os leitores das nossas colectâneas (se ainda não são leitores, aproveitem, estão a perder coisas boas), e vamos ter uma a sair já a 13 de Julho para o nosso 15º aniversário, é um nome reconhecido e apreciado (leia-se votado).
Resolvemos, pois, satisfazer a curiosidade dos leitores dando-lhes a conhecer esta professora (já aposentada) por vocação e poeta por inspiração.

Dulce Sousa, 64 anos, por voz própria:


  Conte-nos como e porquê começou a escrever, por paixão ou por necessidade?

A escrita sempre fez parte da minha vida. Escrever adveio da necessidade de libertar a alma. Surgiu esse gosto desde jovem e mantém-se principalmente ao nível da poesia que é a minha paixão principal. Brota de forma natural, em determinados momentos.
Sinto-me emocionalmente “tocada” por diversas situações, sejam de alegria, tristeza, êxtase e aí, a urgência impõe-se e quase sem pensar, as palavras jorram naturalmente.

 Qual o papel que a escrita ocupa na sua vida?

Considero a escrita como “um amigo” pronto a receber a minha dádiva, sem avaliações. É, sem dúvida, a libertação do espírito. Através dela, reorganizo as minhas ideias e dialogo com o papel, esse amigo, que vai absorvendo os sentimentos múltiplos que me assolam.
A escrita é pura libertação.

   Sempre sonhou publicar um texto num livro/participar em atividades literárias?

O meu principal objetivo é escrever pelo facto do prazer que aí reside e não pela publicação. Além de publicar dois livros de poesia, colaborei com textos escritos no Jornal “A Voz de Chaves”, “Fórum” Galaico-Transmontano, Círculo de Estudos e Divulgação, Revista “Família Cristã”. Sempre escrevi histórias para os meus alunos como forma de os motivar para a leitura e escrita. Estabeleci no horário escolar a “Hora do Conto”, com dinâmicas diversificadas, explorando a imaginação e a criatividade dos alunos. Criei uma página no Jornal “A Voz de Chaves” onde semanalmente era publicado o melhor conto ou poema, com a identificação do aluno/autor. Dinamizei oficinas de escrita em diversas escolas do Agrupamento de escolas, ao qual eu pertencia, enquanto professora.

   O que significa para si ter o texto favorito dos leitores?

Penso que ter um texto favorito por parte dos leitores é algo agradável, pois é de algum modo ser reconhecido por aquilo que escrevo embora, para mim, não seja o principal objetivo. Escrever, sim, é o que realmente importa porque é no ato criativo e individual que eu sonho e me realizo.  O reconhecimento é um acréscimo.

   Tem algum projecto a ser desenvolvido, actualmente? Pensa publicar mais algum livro? Continua a sentir vontade de escrever?

Sim. Tenho um projeto em prosa iniciado que virá a ser publicado.
Penso que quem escreve por paixão, sempre continuará a fazê-lo, ainda que não publique tudo aquilo que escreve. Escrevo há largos anos, mas não sentia o apelo de publicar, de expor os meus sentimentos, porque a poesia brota de sentires intrínsecos que precisam voar.

Fale-nos um pouco sobre o seu estilo de escrita.

A minha tendência e gosto é sem dúvida a poesia. Surge genuína e de modo repentino, consoante a emoção do momento. Aí escrevo mesmo o que me vai na alma, o meu sentir. Os livros que publiquei contêm poesia muito intimista. Por vezes é preciso coragem para nos desnudarmos perante quem nos lê.
Em prosa gosto de escrever histórias infantis e artigos de opinião, alguns deles publicados.

  Indique as razões pelas quais aconselharia as pessoas a ler os seus textos? O que acha mais apelativo nos seus textos?

Os textos de opinião supracitados englobam a problemática da educação no nosso país e logicamente em contexto escolar. Como tal, têm como objetivo fazer refletir as pessoas sobre a realidade que tão bem conheço, e da qual faço parte, procurando levar à consciencialização e desse modo, vislumbrar caminhos que levem à mudança, de si, tão necessária. Logo, seria uma razão muito válida e apelativa para os aconselhar a ler.

  Qual é o seu estilo de escrita ou que tipo de mensagem gosta de passar no que escreve?

Posso dizer que a poesia faz parte de mim, é o meu principal estilo de escrita.
Gosto de passar a exuberância daquilo que me invade quando escrevo poesia.

  Não publicou connosco, mas já publicou livros, são dentro do estilo referido anteriormente? A publicar mais também serão do mesmo género ou tem outros projetos em mente?

Sim. Já publiquei dois livros de poesia. Tenho imensa poesia escrita ao longo do tempo, em sebentas, que guardo religiosamente, mas limitei-me a publicar a mais recente.
Tenho um projeto em prosa que, de momento, está em standby, por falta de tempo.

  Qual o papel das redes sociais na vida e na divulgação da obra de um autor? E na sua?

As redes sociais são importantes, mormente quando o objetivo do escritor é dar a conhecer a(s) suas obras.
Na minha vida, em particular, não considero relevante porque quase não as utilizo com essa finalidade.

  Gosta de ler? Que tipo de leitor é que é?

Adoro ler bons livros. Leio diferentes obras de diversos autores. E quando aprecio um determinado autor, vou atrás da sua obra e leio todos livros publicados.
A leitura permite-me viajar, superar às vezes momentos de desânimo, ajuda-me a relaxar. Assim, tenho sempre dois livros na mesa de cabeceira que leio ao mesmo tempo, ora um, ora outro, conforme o meu estado de espírito do momento.
Por vezes um livro, uma simples frase nele contida leva-me a reflexões profundas e dá-se um “clique” em determinado momento da minha vida.
A leitura é o alimento do espírito. Assim penso.


Desafios de Autores para Autores, vol I
(disponível para compra, clicando na imagem que se encontra na lateral esquerda deste blogue)














Na areia de uma praia qualquer


Natal ao borralho


Desafios de Autores para Autores, vol II













Livros disponíveis (exceptuando o assinalado) na nossa loja online. Todos os títulos disponíveis nas principais lojas online nacionais e internacionais.
Para mais informações envie email para informacoes@tecto-de-nuvens,pt
Para encomendas envie email para loja@tecto-de-nuvens.pt


E brevemente:

As 15 Primaveras